marcadores

sábado, 20 de junho de 2009

sepulcros brancos.


N'augusta solidão dos cemitérios
Resvalando nas sombras dos ciprestes
Passam meus sonhos sepultados nestes
Brancos sepulcros, pálidos, funéreos.

São minhas crenças divinais, ardentes
- Alvos fantasmas pelos merencórios
Túmulos tristes, soturnais, silentes
Hoje rolando nos umbrais marmóreos

Quando da vida, no eternal soluço
Eu choro e gemo e triste me debruço
Na laje fria dos meus sonhos pulcros

Desliza então a lúgubre coorte.
E rompe a orquestra sepulcral da morte
Quebrando a paz suprema dos sepulcros.

4 comentários:

Andrei Vinicius disse...

Que MEDO! Acho que é até normal...As pessoas têm medo do desconhecido...
Mas enfim não deixa de ser um estilo!
Respeito e admiro!
beijos

Israel Leal disse...

Olha que teu blog é bem exótico, heim?! Num curto muito, mas o importante é expressar suas opiniões sadiamente.

Abs!

www.blogdoisrael.com

Lailah disse...

mórbido mas profundo, pra quem gosta parece ser muito legal :D parabéns pelo blog

Fabii Dark disse...

Amei seu blog.............simplesmente fascinante......

 
©2007 '' Por Elke di Barros